A Curiosa Fórmula de Titius Bode

Em 1766 o astrônomo Titius von Wittenburg analisou a distância entre os planetas conhecidos e formulou uma equação matemática que segundo ele descrevia a distância entre qualquer planeta.

Ele definiu a distância do Sol até Saturno como sendo de 100 unidades. Mercúrio estaria a quatro unidades do Sol, Vênus a 4 + 3, Terra a 4 + 6, Marte a 4 + 12, faltaria um corpo a 4 + 24 e ai teríamos Júpiter a 4 + 48 e, por fim, Saturno a 4 + 96=100. Esta relação era escrita como r = 0,4 + 0,3 (2n) onde n = 0, 1, 2,….

O astrônomo alemão Johann Elert Bode cita a existência de outros planetas, ainda não conhecidos, no Sistema Solar. Segundo Bode estaria faltando um planeta a cerca de 28 unidades da fórmula de Titius.

A progressão matemática proposta por Titius passou por uma confirmação estrondosa em 1781 quando o astrônomo William Herschel descobriu um novo planeta, Urano, a uma distância do Sol equivalente a 4 + 192 unidades. Esta descoberta reforçou a crença de que faltava um planeta na posição correspondente a 2,8 U.A.

Resumindo, somente no século XIX o astrônomo italiano Giuseppe Piazzi descobriu o primeiro asteróide. O objeto foi observado durante mais de 40 noites, ele batizou o objeto de Ceres em homenagem a Deusa grega protetora de Sicília.

A noticia se espalhou e a comunidade astronômica acreditava que esse objeto era o planeta ausente na formula matemática, porém devido a pouca magnitude os astrônomos começaram a desconfiar se era realmente um planeta, observando mais profundamente encontraram Pallas, Vesta e uma série de outros corpos ao longo dos anos, os quais mais tarde foram chamados de asteróides que em grego quer dizer “quase estrela”.

Hoje se tem que a formula de Titius Bode nada mais foi do que uma equação que por muita coincidência deu certo com o cálculo entre alguns planetas, mas não tem base física para se firmar como regra na astronomia.

Edson Emiliano

Arquivado em: Autores convidados, História, Miscelânea